<$BlogRSDUrl$>

Festa do Cristo Rei leva jovens de Benguela a Ndjinga 



A comunidade juvenil de Benguela celebra padroeiro na Missão da Ndjinga, no Monte-Belo, no a 26 de Novembro de 2017. Os trabalhos exploratórios da equipa diocesana liderada pelo padre Miguel Kangwe foram antecipados no curso de quase 6 meses junto da equipa missionária aí residente.

A Ndjinga dista a 150 km da cidade do Lobito. Os jovens começam a chegar ao local já na sexta-feira, para a execução de um programa de atividades que levará a vivência do lançamento pastoral do 1º Ano do triénio: “jovem, fé recebida” e terminará com a missa da Festa do Cristo Rei do Universo, padroeiro da juventude Católica de Angola, no domingo em que termina o Ano Litúrgico.

A missão no passado sustentou um dos mais famosos internatos femininos sob a tutela da Irmãs teresianas, até a guerra civil de Angola, com a presença dos padres dos Espirito Santo. Depois foi abandonada, tendo sido retomado recentemente, em meios as debilidades nas suas infraestruturas, sem retomar os serviços de assistência aos jovens como era no passado.

Atualmente é assistida pelos padres diocesanos é responsável da equipa missionária o padre Venâncio Javela.


Bispo pede uma diocese que viva a “Igreja em saída” 

17/11/2017


As palavras ouviram-se no fim dos trabalhos da Assembleia 2017/2018, na Missão/Paróquia da Nazaré, neste 17 de Novembro de 2017. “Papa nos pede de sermos uma Igreja em saída, tendo em atenção os jovens”, pediu.

Para Dom Eugénio Dal Corso os agentes de pastoral devem prestar atenção ao plano pastoral da CEAST, na mensagem estudada pelos missionários de Benguela, sendo o 1º momento, o convite a fé recebida. O Bispo de Benguela entende que é preciso ir ao diálogo dos jovens nas suas realidades, algumas mais desafiantes para ter esta perceção e dai partir para outros domínios, como a “fé celebrada”, no 2º ano, e depois, com a fé “testemunhada”, no 3º ano.

A Eucaristia de encerramento que contou com a presença de todos dos delegados, o bispo retomou os apelos. Na sua homilia, convidou os presentes a buscarem exemplos heróicos, com incentivo de doação da juventude no dia-a-dia, como santa do dia, Isabel da Hungria.

O plano Pastoral para 2017/2018, resultante desta assembleia, ora terminada, deverá ser apresentado nos próximos dias, seguida de uma mensagem para todos dos diocesanos.


Catequese diocesana quer inovar com as novas tecnologia 

16/11/2017


A terminação consta das conclusões da avaliação anual ora apresentada na Assembleia 2017/2018, no debate sobre os jovens. Padre Lino Tanga (foto) coordenador diocesano de catequese apontou que é urgente e por isso tem que avançar.
“As subcomissões de catequese devem fazer também uso das fontes e meios como correio electrónico, facebook, WhatsApp para o ensino da palavra de Deus, para as paróquias que podem, citou o documento que apresentamos abaixo.
Para aquelas paroquiais que ainda não se pode falar de novas tecnologias devem criar jornais murais com mensagem curtas mas assertivas que comuniquem a mensagem catequética, mas não se podem limitar aos meios tradicionais, avançou.
 O padre Lino é também Secretario Episcopal para a catequese e um dos entusiastas do Diretório de Catequese apresentado pela CEAST. Para ele, é preciso no que diz a comunicação começar ao nível de paróquias a formação de agentes para a linguagem gestual, além das novas formas de linguagem já enunciadas.
Na Assembleia Pastoral com o tema sobre o Jovem na Evangelização as novas tecnologias ganharam um olhar especial para os agentes de pastoral, apontando o desafio o uso correto deles até na liturgia, com alerta a recente catequese do Papa Francisco do dia 8 de Novembro partilhada na assembleia pelo secretariado de pastoral.





SECRETARIADO DIOCESANO DE EVANGELIZAÇÃO E CATEQUESE

Conclusões da avaliação anual 

Algumas subcomissões paróquias mostraram suas preocupações na falta de coordenação entre os párocos e a subcomissão de catequese. Alguns párocos aceitam ou mesmo aceitaram pessoas que não reuniam condições para os sacramentos por serem seus familiares ou por causa dos pedidos dos pais das crianças.

Muitas coordenações de catequese paroquiais sentiram-se desacompanhadas pelos seus párocos.
Foi deficitária a comunicação entre o Secretariado de Evangelização e Catequese e as paróquias.
Algumas subcomissões de catequese tais como: do Pópulo e do divino Espirito Santo na coordenação da catequese do arciprestado as suas participações foi decrescente.
Algumas paróquias vizinhas da Nossa Senhora do Pópulo sentiram dificuldade de organizar a sua catequese porque muita gente acorria à Nossa Senhora do Pópulo por causa da sua facilidade e do não cumprimento dos tempos estabelecidos em receber os sacramentos.  
Muitas coordenações de catequese não conseguiram explicar aos seus membros a forma como alguns catequizandos eram admitidos para o Crisma nas visitas pastorais.
Muitos catequistas encontram dificuldade em dar catequese para o Baptismo e Comunhão aos noivos que muitos deles só tinham 3 meses de disponibilidade de formação por causa do casamento.

Recomendações
Que o Secretariado diocesano visite o Arciprestado da Ganda.
Que o Secretariado Diocesano estude normas para a catequese dos noivos que não tenham baptismo e ou comunhão.
Que todas as subcomissões de catequese paroquiais e coordenações dos arciprestados façam o plano anual de catequese tendo em conta a admissão aos sacramentos, as datas das festas de passagem de uma etapa para outra. O Plano de catequese deve ter em conta o plano pastoral da paróquia.
Que cada pároco dê uma atenção especial ao sector da catequese. Esta atenção deve consubstanciar-se no apoio à formação espiritual e humana do catequista; na organização da catequese; nas viagens para as reuniões de catequese quer diocesanas como dos arciprestados; na compra do material de catequese.
Que nenhuma subcomissão de catequese aceite alguém ( excepto o pároco) para dar continuidade da catequese sem que apresente a transferência ou uma justificativa e que será aprova ou não  pelo pároco.
Que as subcomissões de catequese trabalhem com os assistentes espirituais no respeito e colaboração.
Que as subcomissões de catequese não aceitem programas de acampamentos de dois dias para as crianças com menos de 10 anos.  
Que as festas das crianças sejam bem animadas e que sejam evitadas músicas sensuais e que suscitam violência.
Que não se cobre nenhum valor monetário na recepção do sacramento da Comunhão. Caso haja necessidade de presentear as crianças ou dar alguma lembrança, faça-se com a autorização do pároco e se possível ouvir também os pais.
Que se evite conflitos entre o Pároco e a coordenação de catequese. Deve-se respeitar sempre a deliberação última do pároco.

Determinação
As subcomissões de catequese paroquiais devem incentivar o uso das novas tecnologias de comunicação tais telemóvel, computadores, retroprojetor, jornal mural para a transmissão da doutrina cristã católica (para as paróquias que podem)
As subcomissões de catequese devem fazer também uso das fontes e meios como correio electrónico, facebook, WhatsApp para o ensino da palavra de Deus (para as paróquias que podem).   
Para aquelas paroquiais que ainda não se pode falar de novas tecnologias devem criar jornais murais com mensagem curtas mas assertivas que comuniquem.
Também aquelas paróquias devem procurar novos meios de comunicação e não ficar somente na fonte tradicional tal como o livro.
Que todas as paróquias façam os ritos de passagem de uma etapa para outra e esta passagem deve ser marcada com a celebração de uma festa.
Que se faça publicidade do Curso para Catequistas sobre a linguagem gestual (basta contactar o Secretariado de Catequese).
No itinerário formativo dos catequistas deve-se introduzir o Directório para a catequese como disciplina a ser dada.

Benguela, aos 05 de novembro de 2017

O SECRETARIADO
 (P. Lino Tanga)
 

 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

DIOCESE DE BENGUELA