<$BlogRSDUrl$>

Paróquia da Catumbela tem novo pároco 

O novo pároco do Sagrado Coração de Jesus da Catumbela é o padre Lino Tanga, nomeado no início deste mês de Janeiro de 2017. O sacerdote pertence ao Clero diocesano de Benguela e tomou posse do novo cargo neste domingo, 15 de Ja
neiro, diante do Vigário Geral da Diocese, padre Eduardo Alexandre, e vários sacerdotes concelebrantes. A cerimónia foi ainda testemunhada por numerosas religiosas e fiéis da Paróquia da Catumbela, bem como pelas autoridades civis representadas pela Administradora Municipal, Administrador Comunal, Comandante Adjunto da Polícia Nacional do Município da Catumbela e representantes das autoridades tradicionais.
Durante a cerimónia da tomada de posse, o Vigário Geral da Diocese, padre Eduardo Alexandre, agradeceu ao pároco cessante, padre José Brinco, pelo trabalho feito na comunidade paroquial, ao mesmo tempo que agradeceu ao novo pároco por ter aceite assumir a responsabilidade de pastor daquela paróquia.
O padre Lino Tanga foi ordenado a 4 de Julho de 1999, em Benguela. A sua experiência de vida sacerdotal conta com um rico percurso pastoral. Trabalhou em Luanda com os padres salesianos de Dom Bosco e a seguir foi enviado a Guiné Bissau onde trabalhou na diocese de Bissau mais de 5 anos. Daí foi para Portugal onde combinou o estudo e a pastoral na Diocese de Santarém até 2013, data em que regressou para Angola. Doutorou-se em História da Igreja, pela Universidade Católica Portuguesa e tem um Mestrado em Estudos Africanos feito no ISCTE, em Lisboa.

Madres reparadoras tem nova superiora da comunidade em Angola 



Ir Tereza Cabundo, (3ª da esquerda) natural do Huambo até agora superiora da Caop, diocese de Caxito substitui a Maria dos Anjos, delegação de Angola. Segundo a Ir Maria Tomé que contou o facto a nossa reportagem a escolha foi um processo que começou em Março de 2017.
 As Irmãs reparadoras estão na Diocese de Benguela, desde os anos de Dom Armando Amaral, 1º Bispo de Benguela e têm presença no Lobito, Benguela e Alto da Catumbela. A congregação ainda não começou o processo de formação da província, um dos maiores desafios das religiosas angolanas, mas a delegação com o crescimento de vocacional tem dado provas de que o caminho pode ser atingido.
 Segundo a Ir Tomé os trabalhos do anúncio aconteceram esta semana um pouco depois da Epifania do Senhor, com a presença de 20 delegadas e 2 convidados. O Padre Pina Ribeiro, português, amigo da Congregação que sempre acompanha os capítulos aceitou o desafio de nos ajudar. O desafio para ela neste mandato da Ir Cabundo será o de reforçar o clima de confiança e unidade para que possamos lançar a semente para a nossa identidade angolana na congregação e chegarmos um dia a autonomia, em meio as dificuldades que as exigências que nos são colocadas, neste sentido.
Ir Maria dos Anjos depois da Assembleia está a visitar ao lado da superiora geral as comunidades do interior. Os trabalhos da abertura da assembleia foram abertas pelo bispo da diocese Dom Eugénio
As Franciscanas Reparadoras de Jesus Sacramentado nasceu em 1942 na diocese de Bragança, Portugal e chegou a Angola em 1962. Em 1968 tomaram conta do Lar Mae de Deus, mais conhecido como lar das velhinhas, no Centro da Cidade do Lobito (Sagrado Coração de Jesus).
Em 1976 o lar sofreu muito com os confrontos de partidos políticos, mas sobreviveu até aos nossos dias no cuidado com a 3ª idade.
Em 1979 abriu o noviciado e começou a partir daí a abrir novas comunidades, com uma presença junto do dispensário da Cabaia e assistência as comunidades de Arrábida, e Copão, no Lobito
Em Benguela, a presença das Servas Reparadoras Franciscanas de Jesus Sacramentado deu palmas ao martírio com grande testemunho de umas das religiosas no eixo, Alto da Catumbela Ganda, em plena guerra civil. O número das religiosas cresce como sinal de que o sangue é semente dos cristãos.


Infancia e adolecencia missionária celebrou o dia 



Paróquia de Nossa Senhora do Rosário do Bocoio acolheu a festa diocesana da infância e adolescência Missionária, em Benguela.
A atividade teve com agenda uma eucaristia a que presidiu a o diretor diocesano da OMP, em Benguela, padre Alberto Guilherme (foto)
As paróquias de toda a diocese marcaram presença com os seus delegados para o evento. O objetivo da celebração foi animar os jovens para a missão em vista a agenda 2017.
Padre Alberto Guilherme que atualmente trabalha no Seminário Medio do Bom Pastor disse a nossa reportagem que os trabalho tem sido facilitado, pois, hoje os jovens são mais dados as novas tecnologia que permitem algumas facilidades na compreensão das dinâmicas que envolvem o mundo hoje.
A infância e adolescia missionárias estão em todas as comunidades da diocese.


Internautas desconhecem Natal Litúrgico 



A declaração é do senhor Casimiro Gomes que há 16 anos trabalha no presépio da Catedral de Benguela onde como faz sempre o natal vem com a descrição do ano seguinte, como se lê (foto).
“Nós na Igreja vivemos o ano litúrgico que está no ano civil, este natal é a incarnação da páscoa 2017 que vamos viver no círculo litúrgico ano A, proximamente”, disse o senhor Casimiro Gomes. Ele, foi procurado pela nossa reportagem que flagrou os comentários dos internautas a exigirem uma correção, de 2016 ao invés de 2017.
O antigo coordenador do Conselho da Sé Catedral de Benguela apontou para o desconhecimento do natal litúrgico da parte de várias pessoas que, para ele apenas vem no natal um ato social associado as festas do Ano Novo, depois da catequese cristã em criança sem aprofundamento.
O presépio da Se-Catedral nasceu sob a iniciativa de Dom Óscar Braga. A sua tradição já leva 16 anos de serviço na torre pirâmide da catedral de Benguela, junto da estrada principal que dá para a rotunda do aeroporto.
Segundo os organizadores do presépio a motivação principal é narrar a grande notícia para aqueles que mesmo não entrando na igreja através da visão do presépio podem estar informados de que aquele é Jesus que nasceu para os homens, com a espiritualidade da humanização que passa pela simplicidade.
De um tempo a esta parte, em cerca de 3 anos o presépio tem contado com a participação dos escuteiros que constroem no lugar uma árvore ecológica.
É costume em várias culturas montar um presépio quando é chegada a época de Natal. Variam em tamanho, alguns em miniatura, outros em tamanho real. O primeiro presépio do mundo teria sido montado em argila por São Francisco de Assis em 1223. Nesse ano, em vez de festejar a noite de Natal na Igreja, como era seu hábito, o Santo fê-lo na floresta da cidade de Greccio, na Itália, para onde mandou transportar uma manjedoura, um boi e um burro, para melhor explicar o Natal às pessoas comuns, camponeses que não conseguiam entender a história do nascimento de Jesus.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

DIOCESE DE BENGUELA